Millennials 50+: Os conselhos da dermatologista Andrea Combalia para cuidar da pele a partir dos 50 anos

Bakuchiol, Cuidado da Pele, Glicação, Inflammaging | 25 Outubro

Por que motivo surgem mudanças na pele ao longo dos anos?

Com o passar do tempo, o corpo humano vai perdendo a capacidade de se regenerar, e isso também se manifesta na pele. Além disso, esta está constantemente exposta a agressões externas, sendo um dos órgãos que mais sofre com o tempo.

Com o avançar da idade, surgem manchas secundárias na pele devido à exposição repetida à radiação ultravioleta. As manchas não são de idade, são do sol, e por isso podem ser evitadas.

A radiação ultravioleta favorece a degradação das fibras de colagénio e elastina, provocando flacidez e perda de elasticidade, duas características da pele envelhecida que afetam o rosto, pescoço e decote. Sabia que essa perda de elasticidade também promove a dilatação dos poros? Logo predispõe ao aparecimento de pontos pretos, principalmente quando o seu conteúdo está impregnado com poluição provocada pelas grandes cidades e fumo de tabaco, por exemplo.

Com a idade, a capacidade de renovação da epiderme também diminui, o que se traduz numa pele mais opaca, seca e pouco luminosa. Por outro lado, não podemos esquecer as telangiectasias e as aranhas vasculares, pequenos vasos capilares dilatados que aparecem principalmente em peles sensíveis com tendência à couperose e rosácea, e que também fazem parte do processo de envelhecimento da pele.

É importante falar sobre a pele aos 50 anos?

Embora como dermatologista não goste de falar da idade da pele, mas sim do seu estado, é verdade que aos 50 anos surgem muitas mudanças. A sua maioria ocorre devido ao estilo de vida e hábitos diários, mas também às muitas alterações hormonais que ocorrem por volta dos 50 anos da mulher.

A menopausa envolve uma queda nos níveis de estrogénio e progesterona e isso leva a uma diminuição na síntese de colagénio e elastina, uma redução na qualidade da camada hidrolipídica da nossa pele, uma queda no volume de gordura subcutânea e a perda progressiva natural do tónus ​ dos músculos faciais.

Resumindo, a pele envelhece com o passar dos anos. Isso é um facto. Mas também é verdade que temos cada vez mais ferramentas que nos permitem retardar esse processo. Atualmente, conhecemos os mecanismos que aceleram o envelhecimento da pele e o processo pelo qual aparecem os sinais da passagem do tempo.

O que podemos fazer?

Conhecer os efeitos de fatores externos na nossa pele permite-nos antecipar e neutralizar os seus efeitos. Seguir um estilo de vida saudável, reduzir os níveis de stress, praticar desporto e alimentar-se corretamente são dicas essenciais para manter a saúde da pele ao longo dos anos. Mas também podemos retardar o envelhecimento e melhorar a aparência de nossa pele adaptando as nossas rotinas cosméticas.

Sabia que existem conselhos básicos que pode cumprir se deseja manter uma pele saudável e em boas condições ao longo dos anos?

  • Proteja a sua pele da radiação ultravioleta: Sabemos que a radiação ultravioleta está diretamente envolvida no envelhecimento da pele através da degradação das fibras de colagénio e elastina. Por isso, uma proteção solar diária de amplo espectro que bloqueie adequadamente a radiação ultravioleta A, a radiação ultravioleta B e a luz visível é o nosso melhor aliado.
  • Utilize antioxidantes nas rotinas de cuidado facial: A vitamina C é um dos antioxidantes mais eficazes no combate aos radicais livres envolvidos no envelhecimento da pele.
  • Adicione ativos anti-glicação: Atualmente sabemos que a glicose também contribui para o envelhecimento da pele, pois contribui para a degradação das fibras de colagénio e elastina. Por esse motivo, para além de realizar uma dieta equilibrada e livre de alimentos ultraprocessados ​​e açucarados, aposte em produtos cosméticos que incorporem princípios ativos antiglicantes.
  • Contribua para a transformação da sua pele: Através do uso de ingredientes ativos como o retinol ou o bakuchiol, pode contribuir para a regeneração da pele e melhorar as pequenas rugas finas que surgem na pele ao longo dos anos.

Gostou deste artigo? Partilhe-o.

Artigos relacionados

Cuidado-da-pele, Pele-sensivel | 19 Abril

É preciso cuidar do maior órgão do corpo humano, mesmo após um procedimento estético: as recomendações de duas médicas

Qualquer tipo de pele pode ficar sensibilizada devido a fatores externos: o recurso a procedimentos estéticos seguros e a exposição solar em excesso são apenas dois deles. Mas não há razão para dramas, até porque há soluções, como o novo Skin Rescue [Serum S.O.S.]. A propósito do lançamento deste novo produto Sensilis, falámos com as médicas Catarina Oliveira Madeira e Bárbara Pitrez, especializadas em Medicina Estética na Clínica Integrativa UNO.

Cuidado-da-pele, Factores-de-crescimento, Pele-sensivel, Retinol, Rugas, Solares | 2 Dezembro

A pele é para ser cuidada desde cedo, mas nunca é tarde para começar

Se é certo que o envelhecimento do ser humano é irreversível, também não deixa de ser verdade que é possível atenuar esse processo natural e mimar as necessidades da pele. Fomos à procura de estratégias para potenciar a saúde cutânea com o médico de Medicina Estética Pedro Santos, que nos deixou as suas melhores recomendações na prevenção e tratamento do maior órgão do corpo humano.

Anti-vermelhidao, Cuidado-da-pele | 14 Fevereiro

Pele sensível e pele sensibilizada: Como cuidar? Dicas para uma pele saudável

A informação genética que carregamos define em grande parte o tipo de pele que temos. No entanto, é a forma como cuidamos do maior órgão do corpo humano que pode influenciar o seu estado de saúde. Neste artigo, vai descobrir as principais diferenças entre pele sensível e pele sensibilizada com a ajuda de quatro farmacêuticas.